Movimento Meninas  Olímpicas do Brasil

Scientific Olympic Girls Movement

InstagramFacebookEmailYouTube

          Fundação

O Movimento Meninas Olímpicas, fundado em 2016 pelas irmãs olímpicas Natalia Groff e Mariana Groff e coordenado pela Professora Nara Bigolin, tem o objetivo de aumentar a presença das mulheres em espaços estratégicos como no meio político, empresarial ou científico da sociedade, através do incentivo à participação igualitária das meninas em olimpíadas de conhecimento na área de STEM. 

          Nossas Ações 

As principais ações do movimento são:

Prêmios Meninas Olímpicas

Uma das ações do Movimento é propor prêmios  às meninas. Temos proposto prêmios as coordenações as olímpiadas de conhecimento nacionais e internacionais (IMO) e ao Poder Legislativo Municipal (Câmara de Vereadores), Estadual (Assembleias Legislativas) e Federal (Câmara e Senado) através de projeto de lei. Os prêmios  Meninas Olimpicas atuais são:

Homenagens às meninas realizadas nas Assembleias Legislativas do Rio Grande do Sul, do Espírito Santo  e do Paraná.

Olimpíadas Femininas 

Devido a baixa participação feminina na área de STEM, foram lançadas algumas olimpíadas femininas  internacionais (EGMO, EGOI e PAGMO), nacionais (TM2, TFC, TFM, Quimeninas) e estadual (OFMEBA). O Movimento:

Confira as meninas premiadas e alguns destaques femininas em olimpíadas internacionais.

Dados e Mapas

Segundo a pesquisa elaborada pelo Movimento sobre a participação feminina nas principais olimpíadas do Brasil e das mulheres em espaços estratégicos na sociedade, foi constatado que o percentual de meninas premiadas nas olimpíadas científicas equivale as mulheres em espaço de poder conforme o gráfico.

Confira os dados levantados e os mapas das meninas nas principais olimpíadas nacionais e internacionais.

Meninas Olímpicas em vídeos

As meninas olímpicas do Brasil relatam suas trajetórias.

Projetos Meninas Olímpicas pelo Brasil

Algumas universidades criaram projetos de extensão "Meninas Olímpicas", como o IMPA (2019),  a UFAL (2023) e a UNB (2023)


Movimento na mídia